Webmail    |    Intranet

Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais

Análises Físicas do Solo

ItemAnáliseDescrição
1Argila dispersa em águaMétodo da pipeta
2Condutividade hidráulica do solo saturado no laboratórioAmostra indeformada, coletada com anel volumétrico.
3Consistência do soloLimites de Liquidez e de Plasticidade e Índice de Plasticidade. Amostra deformada (solta, a granel).
4Densidade de partículas do soloAmostra deformada (solta, a granel).
Método do picnômetro.
5Densidade do soloAmostra indeformada, coletada com anel volumétrico.
6Densidade do soloAmostra deformada (solta, a granel). Método da proveta.
7Estabilidade de agregadosPeneiramento por via úmida ou seca, em malhas especificadas.
8GranulométricaFrações calhaus, cascalhos e TFSA. Amostra deformada (solta, a granel), apenas levemente destorroada.
9GranulométricaArgila, silte e areia total.
Método do densímetro.
10GranulométricaArgila, silte e areia total.
Método da pipeta.
11GranulométricaArgila, silte, areia grossa e areia fina.
Método do densímetro.
12GranulométricaArgila, silte, areia grossa e areia fina.
Método da pipeta.
13GranulométricaArgila, silte, areia muito grossa, areia grossa, areia média, areia fina e areia muito fina. Método do densímetro.
14GranulométricaArgila, silte, areia muito grossa, areia grossa, areia média, areia fina e areia muito fina. Método da pipeta.
15GranulométricaArgila, silte, areia em cinco frações em amostras de sedimentos. Resolução CONAMA 454/2012.
16Grau de Floculação e DispersãoArgila dispersa em água e em dispersante para cálculo de GF e GD da fração argila
17Porosidade total e efetivaAmostra indeformada, coletada com anel volumétrico.
18RP – Resistência à penetraçãoAmostra confinada em anel volumétrico. Determinação da RP na umidade atual.
19RP – Resistência à penetraçãoAmostra confinada em anel volumétrico. Determinação da RP e da umidade do solo em tensão especificada.
20Retenção de água e Capacidade de água disponível. Umidade do solo: Capacidade de Campo e Ponto de Murcha. Amostra indeformada, coletada com anel volumétrico.
23Retenção de água e Capacidade de água disponível.Umidade do solo: Capacidade de Campo e Ponto de Murcha. Amostra deformada (solta, a granel)
21Retenção de água - Curva de RetençãoUmidade do solo em cinco ou oito pontos de tensão. Amostra indeformada, coletada com anel volumétrico.
22Retenção de água - Curva de RetençãoUmidade do solo em onze pontos de tensão e equação de ajuste. Amostra indeformada, coletada com anel volumétrico.
24Retenção de águaUmidade do solo em pontos de tensão e tipo de amostra especificados pelo solicitante
25Umidade atualAmostra deformada (solta, a granel) ou indeformada (anel volumétrico).

Os métodos adotados estão descritos no Boletim Técnico 106 do Instituto Agronômico (IAC) e no Manual de Métodos de Solo da Embrapa. Para o item 15 utilizam-se as especificações da Resolução CONAMA 454/2012. Para os itens 18 e 19 utiliza-se o método descrito em Tormena et al. (1998). No momento não realizamos avaliações in situ.

Informações:

Orçamentos e outras informações (quantidade de cada amostra, forma de amostragem e acondicionamento para transporte) podem ser solicitados na Secretaria do Laboratório de Física do Solo, pelos telefones: (19) 3202-1834 e 3202-1841 ou pelo e-mail labsolo@iac.sp.gov.br.

Envio da amostra:

O Instituto Agronômico não realiza amostragens. Estas são de responsabilidade do interessado.

Cada amostra de solo ou sedimento deve ser enviada em embalagem limpa e identificada. Para análises granulométricas deve ser enviada uma quantidade de 300 g. Outras análises requerem quantidades maiores, como consistência do solo e retenção de água em amostra deformada (>500g) e estabilidade de agregados (>4 kg em blocos, não destorroadas). As amostras em anéis devem ser embaladas com filme plástico. Para as análises de retenção de água os anéis devem ser de aço inox.

Os boletins de resultados serão baseados nas informações fornecidas pelo cliente e qualquer identificação que deva constar no boletim de resultados deve ser feita quando do envio das amostras.

As amostras deverão estar acompanhadas da identificação da amostra, do responsável pela coleta, local e data da coleta, o nome, telefone e e-mail de uma pessoa para contato, bem como o nome e endereço para emissão e envio dos resultados.


Para envio das informações sobre as amostras utilizar o Formulário de Recebimento de Amostras:

Formulários de Recebimento de Amostra FQ-FIS-012


Caso tenha sido solicitado orçamento utilizar o Formulário de Autorização para Execução de Ensaio:

Formulários de Autorização de Ensaio FQ-FIS-011



O endereço para envio das amostras pelo correio ou para a entrega das amostras é:


Instituto Agronômico
Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais
Laboratório de Física do Solo - Prédio Conservação do Solo
Avenida Doutor Theodureto de Almeida Camargo, 1.500 (Jardim Nossa Senhora Auxiliadora)
13075-630 Campinas, SP

Armazenagem de amostras: As amostras serão mantidas no laboratório, disponíveis para novas determinações, por até três meses após o recebimento pelo laboratório.

Métodos de ensaio:

Camargo, O.A.; Moniz, A.C.; Jorge, J.A. & Valadares, J.M.A.S. Métodos de análise química e física de solos do Instituto Agronômico de Campinas. Campinas, IAC, 2009. 94 p. (Boletim técnico, 106)

Teixeira, P.C.; Donagemma, G.K.; Fontana, A.; Teixeira, W.G. Manual de métodos de análise de solo (Ed.). 3. ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa, 2017. 573 p.

Tormena, C.A.; Silva, A.P. & Libardi, P.L. Caracterização do intervalo hídrico ótimo de um Latossolo Roxo sob plantio direto. R. Bras. Ci. Solo, 22:573-581, 1998.

Resolução CONAMA 454/2012.



Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600