Webmail    |    Intranet

 

“Pra onde tenha sol, é pra lá que eu vou”

A letra da música vale para o pêssego, porque a incidência do sol determina a qualidade e o tamanho do fruto, a cor e o sabor do suco. É o que mostra pesquisa inédita paulista com produção de pêssego em paredão Frutal

 

Por Mônica Galdino (MTb 47045) e Carla Gomes (MTb 28156) - Assessoria de imprensa IAC

 

            São Paulo está em plena safra de pêssego, que pode ser consumido in natura, sucos e geleias. Esses produtos vêm perfumando as gôndolas de varejões e supermercados. Para auxiliar os agricultores na obtenção de produtos de qualidade, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto Agronômico (IAC-APTA), desenvolve uma pesquisa inédita no Brasil com o sistema de produção em paredão frutal na cultura do pêssego. Os ganhos são vários: aumento em torno de 10% no peso do fruto, que também apresenta polpa mais firme, melhor coloração e sabor, características que agregam valor ao produto. Outros benefícios são a redução do porte da planta, facilitando a colheita, e a facilitação da aplicação de agroquímicos, reduzindo as doses usadas.

Segundo a pesquisadora do IAC, Graciela da Rocha Sobierajski, no novo sistema, a produtividade da polpa é de 92.42 gramas por fruto, o peso médio do fruto é de 97.56 gramas e a firmeza da polpa, de 4.27 quilos por centímetro. No sistema convencional em Y, esses números são 85.70, 90.44 e 3.50, respectivamente. “Esses ganhos de qualidade do produto agregam valor, pois a firmeza resulta em frutos menos danificados na pós-colheita, proporcionando maior tempo de duração nas gôndolas, além de frutos mais suculentos”, explica. As polpas maiores também trazem a opção de uso para a indústria, segundo a pesquisadora do IAC, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).

            Considerando os dois métodos — o sistema de produção em paredão frutal e o sistema convencional em Y —, a principal diferença está no modo de fazer a poda dos ramos. No sistema em paredão frutal, a poda é feita com o objetivo de manter os ramos voltados para a área interna da linha de plantio. No sistema convencional em Y, o corte direciona os ramos para a rua.

De acordo com a pesquisadora, com o desbaste feito no sistema de produção em paredão frutal, tem-se melhor cobertura da copa, resultando em menor incidência de sol nos galhos e, consequentemente, maior proteção da planta a queimaduras por radiação solar. Ainda assim, essa poda proporciona acesso do sol na medida certa aos frutos, que apresentam melhor coloração e sabor. A pesquisadora do IAC e o produtor que participa do estudo, Waldir Parisi, acreditam que a tecnologia traz ainda maior longevidade aos pomares, podendo prorrogar de dez para até 15 anos. “A queimadura da planta é principal responsável pela redução da vida produtiva do pessegueiro”, diz Parisi.

            Outro benefício desse sistema de produção é a redução do porte das plantas que, por ficarem mais baixas, facilitam tanto a colheita manual quanto a mecanizada.

Independentemente do método de produção, o cultivo de pêssego depende da poda dos ramos, que deve ser realizada por profissionais especializados para que haja o florescimento. “Algumas espécies exigem cortes maiores e outras, menores; por isso conhecer bem a variedade e suas características é importante para uma boa produção”, afirma Graciela.

O estudo é desenvolvido, desde 2015, em parceria entre o IAC e o agricultor Waldir Parisi. Naquele momento, em um congresso na Austrália, Graciela havia conhecido o desempenho desse sistema na produção de pêssegos, adotado na Itália.  Parisi, naquele mesmo período, tinha visto o sistema em uma visita técnica ao Uruguai. “Quando voltei quis iniciar a pesquisa e foi uma feliz coincidência, pois ele também tinha o interesse de testar o novo método”, relata a pesquisadora.

A variedade de pêssego escolhida para a pesquisa no sistema em paredão frutal foi a Tropic Beauty, originária dos Estados Unidos, que foi introduzida no Brasil e teve boa adaptação climática e aceitação pelos produtores e consumidores, além de ser precoce.

O estado do Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional, mas São Paulo tem uma produção antecipada, que disponibiliza frutos para comercialização a partir de agosto. Nos pomares paulistas, a produção está concentrada nos municípios de Atibaia, Jarinu e região Sul do Parapanema. Apenas em dezembro as cultivares do Rio Grande do Sul, Argentina, Chile e Uruguai chegam ao mercado.

            “Vou adotar sempre essa tecnologia porque ela é mais vantajosa”, diz fruticultor.

            O fruticultor Waldir Parisi destaca a melhora da qualidade dos frutos e do manejo e espera que seus pomares tenham maior longevidade. Até o momento, oito hectares já foram reformados para o novo sistema, com perspectivas de remodelação de mais cinco hectares em 2020. “Vou adotar sempre essa tecnologia porque ela é mais vantajosa”, afirma.

            De acordo com Parisi, embora o custo de renovação do pomar seja o mesmo que no sistema convencional, em torno de R$ 40 mil, por hectare, a nova técnica proporciona uma redução nos custos de aplicação de defensivo e, futuramente, trará mais economia com a mecanização da colheita. “Esperamos que, em breve, a colheita possa ser mecanizada, pois há melhores condições para a prática; além de uma avaliação futura sobre a diminuição do uso na aplicação de defensivo”, acredita.   

O estudo está na terceira etapa, de um total de cinco. O objetivo é analisar as safras em todos os cenários possíveis. A pesquisadora do IAC espera que essa técnica seja transferida em breve para outros estados. Ela ainda pretende, após a finalização das últimas duas etapas, retomar o estudo com foco nos componentes nutricionais. “Como os frutos apresentam melhor fitossanidade e maior incidência de radiação, pode ter um acréscimo de nutrientes, mas que só será comprovado em um futuro projeto de pesquisa”, diz.

 

Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600