Webmail    |    Intranet

 

Técnica de adensamento pode aumentar a produtividade de citros em até 50%

 

 
Tema foi tratado em palestra na 41ª Semana da Citricultura do IAC
Por Mônica Galdino (MTb 47045) e Carla Gomes (MTb 28156) – Assessoria de imprensa IAC
Pomares com alta densidade podem atingir aumento de 50% na produtividade, ainda que o rendimento por planta diminua. Com esse rendimento, a técnica do adensamento se torna muito importante para o setor citrícola enfrentar os problemas atuais e manter a sustentabilidade do setor. A técnica do plantio adensado e as variedades de citros foram abordadas na palestra de Fernando Alves de Azevedo, pesquisador do Instituto Agronômico (IAC), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, durante a 41ª Semana da Citricultura. A apresentação ocorreu em 4 de junho de 2019, em Cordeirópolis, interior paulista
Segundo Azevedo, na redução do espaçamento entre as plantas tem-se melhor aproveitamento da área do pomar, possibilitando aumento notável da produtividade, sem prejuízos à qualidade dos frutos. “Para isso, é necessário um planejamento adequado que considere aspectos como combinações de copas e porta-enxertos, uso de irrigação e um nível técnico alto no sistema de produção”, diz o pesquisador.
Azevedo destaca a importância dos porta-enxertos ananicantes como um fator inerente ao aumento da densidade de plantas. “O porta-enxerto trifoliate Flying Dragon e os citrandarins, por exemplo, estão sendo usados em plantações de alta densidade”, afirma.
O pesquisador do IAC relata que o Brasil ocupa posição de destaque entre os citricultores do mundo, mas encara desafios para manter a produtividade. Além disso, os problemas fitossanitários alarmam a indústria, questionando sua sustentabilidade. “Mesmo diante de adversidades, no entanto, a indústria cítrica brasileira é muito dinâmica e continua a sofrer mudanças nos padrões tecnológicos, incluindo a densidade de plantio”, afirma Azevedo.
Outro aspecto da citricultura abordado foi o interesse de produtores brasileiros por novas variedades de limão. Essa demanda vem sendo impulsionada pela produção de óleos essenciais, que possui alto valor agregado. O tema tratado pelo doutorando do IAC, Rodrigo do Vale Ferreira.
A produção mundial de limão é destinada basicamente para o mercado de frutas frescas, preparo de bebidas, uso culinário, produção de suco concentrado, indústria de refrigerantes e alimentos e extração de óleos essenciais e pectina. O doutorando explica que as variedades cultivadas mundialmente provêm de três linhagens: Eureka, Lisboa e Femminello, sendo que as variedades Eureka, Lisboa, Femminello, Genova, Interdonato, Verna, Fino, Villafranca estão entre as mais cultivadas. “No Brasil, basicamente cultivam-se seleções do tipo Eureka, incluindo a variedade Siciliano IAC 262”, diz Ferreira.
Embora as pesquisas tenham mostrado que variedades da linhagem Eureka apresentam incompatibilidade com trifoliatas, esses porta-enxertos vêm sendo utilizados para as demais linhagens. Em geral, além dos trifoliatas, são utilizados laranja Azeda, limão Cravo, tangerina Cleópatra e citranges.
O doutorando também abordou a pesquisa com a variedade Eureka km 47, estudos conduzidos pelo pesquisador do IAC, José Orlando de Figueiredo, que mostraram que Citrus pennivesiculata e tangerina Cleópatra apresentaram bom desempenho produtivo nas condições de Araraquara, no interior de São Paulo. Ferreira também discutiu sobre as variedades promissoras do Banco Ativo de Germoplasma (BAG Citros IAC).

Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600