CULTURA DO GERGELIM

Introdução

O gergelim, Sesamum indicum L., é uma cultura cujas evidencias de sua prática datam do início da civilização. Possivelmente, seja originária da Índia e da região em que onde hoje é o Paquistão. Em escavações realizadas em sítios da civilização hindu foi encontrado gergelim em estratos atribuídos a 3050-3500 a.C. As evidências de cultivos desses tempos indicam que a extração do óleo era a principal atividade.

O gergelim é planta adaptada aos climas tropical e subtropical, com temperaturas médias elevadas, 25-30.oC, e tolerância a períodos relativos de seca. É uma opção interessante como cultura secundária, sucedendo à cultura principal, em plantios de janeiro a março.

No Brasil, a produção oscila entre 3.000 e 5.000 toneladas anuais, concentrada nos Estados de Mato Grosso e Goiás, consumida pela indústria alimentícia do Estado de São Paulo.

A utilização principal é “in natura”, e compondo os produtos da indústria alimentícia e de panificação. A semente possuí 50-60% de óleo, 20% de proteínas , 18% de carbohidratos, 5% de fibras e cálcio, fósforo, ferro, potássio, sódio, magnésio e enxofre. Após a extração do óleo o farelo ou farinha, possui cerca de 40% de proteínas. O óleo tem alta porcentagem de ácido graxo oléico. Portanto, é um alimento rico em proteínas e sais minerais.

Cultivares Comerciais

IAC-OURO

O germoplasma que deu origem ao cultivar foi a introdução I-51964, de 1977, procedente dos Estados Unidos, da qual foram selecionadas linhagens que passaram por vários ciclos de seleção massal. A seleção foi dirigida para obtenção de alto potencial produtivo.

As características principaís são hábito de crescimento ereto, ramificado, com dois a quatro ramos inseridos na haste principal a 30 cm do solo; altura de 120 a 150 cm; haste verde, pubescente durante o ciclo e dourada na maturação, com 25 internódios; folha é pubescente, verde-amarelada durante o ciclo e amarelo-esverdeada e senescente na maturação; flor, pilosa, levemente arroxeada, interior branco; o fruto é uma cápsula verde, retangular, pubescente, com cerca de 60 sementes. Na maturação, abre-se pelas suturas longitudinais, soltando as sementes, mudando a cor do amarelo para o marron. O número de frutos por axila é de 1 a 3, em geral 3; a semente tem coloração creme tendendo a branca, podendo a tonalidade variar com as diferenças ambientais de secagem.

A variedade é extremamente uniforme na maturação, sendo o início do processo marcado pelo amarelecimento e queda das folhas. Os frutos basais têm a coloração transformada do verde para o amarelo, ocorrendo progressivamente da base para o ápice da planta, possibilitando intervalo relativamente longo para a colheita, evitando perdas pela deiscência dos frutos quando maduros. O peso de 1.000 sementes é de 3,3 g e o teor de óleo na semente é de 52%. O variedade tem potencial de produtividade na faixa de 1.000 a 1.500 kg/ha. Está em distribuição comercial desde 1983.

TÉCNICA DE CULTIVO

 

SOLO- requer solos férteis, profundos, bem drenados, evitando-se os que se encharcam. Embora vegete bem em diversos tipos de solos, preferencialmente os solos leves facilitam o desenvolvimento do sistema radicular e, em consequência, o melhor desenvolvimento da planta.

O preparo do solo deve ser cuidadoso, com aração e gradeação antes do plantio, evitando os torrões, pois a semente é pequena, preferindo um leito uniforme para boa germinação

ÉPOCA DE PLANTIO- no Estado de São Paulo e região Sudeste e Centro-Oeste, pode ser plantado no período de outubro a novembro e de janeiro a fevereiro. Como tem boa tolerância à seca, recomenda-se sua utilização na “safrinha”, como cultura secundária, sendo boa opção.

ESPAÇAMENTO- o IAC-Ouro é cultivar de porte baixo, utilizando-se o espaçamento de 50-60 cm entre as linhas e densidade 20-25 sementes/m, sem desbaste posterior, com utilização de 2,5-3kg de sementes por há.

SEMEADURA- pode ser manual ou mecânica, neste caso, preferindo semeadeiras em que não haja discoem movimento, apenas mecanismo de encaminhamento da semente. A profundidade deve ser de 2-3 cm.

ADUBAÇÃO E CALAGEM- deve ser feita de acordo com a análise química do solo. O calcário deve ser aplicado para elevar a saturação de bases a 70% e o teor de magnésio a um mínimo de 5mmolc/dm3. A adubação mineral deve ser nas quantidades recomendadas na tabela seguinte:

 

Tabela de Recomendação de Adubação
Elemento

Resultado da
 Análise Química

Quantidade,
N kg/h
á

Quantidade,
P2O5  kg/há

Quantidade,
K 2O kg/há

Nitrogênio, N  

10

   

Resultado da
Análise Química

Fósforo, P, resina, mg/dm3

0-6
7-15
16-40
>40

80
60
40
20

 
 

Resultado da
Análise Química

Potássio, K+ trocável, mmolc/dm3 0-0,7
0,8-1,5
1,6-3,0
>3,0
60
40
20
20


CULTIVO- deve ser mantida livre de ervas daninhas nos primeiros quarenta dias do ciclo, quando é mais sensível à concorrência. No final desse período há o início do florescimento, que se estenderá pelos próximos 60-70 dias, concomitantemente com a frutificação.

COLHEITA- o fruto do gergelim, é cápsula deiscente, isto é, abre-se com a secagem liberando as sementes. A colheita deve ser feita antes de ocorrer a secagem no campo. Para o IAC-Ouro a época de colheita ocorre ao redor de 95 dias da germinação, quando há o amarelecimento das plantas e queda das folhas, indicativo da colheita. A colheita manual é feita por etapas:

      1.      Corte das plantas, na base da haste;
2.      Secagem em terreiro ou protegida para evitar perdas;
3.      Trilha e limpeza da sementes;
4.      Embalagem e armazenamento.

IAC-CHINA

Ciclo vegetativo de 125-135 dias, sendo rústico em relação ao solo e ao clima, porte ereto, plantas com ramificação e altura média de 180cm. As sementes tem coloração creme e peso de 1.000 sementes de 4,3 g, consideradas de tamanho grande pela indústria de panificação e doces, com grande aceitação. A produtividade fica na faixa de 800 a 1.500 kg/ha. Em distribuição comercial desde 1994

IAC-GUATEMALA

As plantas tem hábito de crescimento ramificado, altura de 150 a 180 cm, cor verde, hastes e folhas pubescentes e com folhas amarelescentes na maturação. Flores brancas arroxeadas. Os frutos possuem cerca de 50-80 sementes. Os frutos são semi-deiscentes, proporcionando maior período de colheita com perdas menores. As sementes são cremes, com peso de 1.000 sementes de 3,4 g. A produtividade média obtida nos experimentos de avaliação esteve na faixa de 1.000 a 1.500 kg/ha. Está em distribuição comercial desde 1995.

 

Cultivares “IAC” de Gergelim

Características Agronômicas IAC-OURO IAC-CHINA IAC-GUATEMALA
Ano de Lançamento 1983 1993 1995
Ciclo vegetativo Médio (dias) 110 125 120
Produtividade Média (kg/há) 1.000 1.000 1.000
Produtividade Potencial (kg/há) 1.500 1.500 1.500

Período de Florescimento (dias)
inicio
final 


30
80

35
90

35
90
Período de Colheita (dias)
inicio
final

95
115

115
130

115
130
Frutos Deiscentes Deiscentes Deiscentes
Cor das Sementes Creme Creme Creme
Formato das Sementes Obovóide Obovóide Obovóide
Peso Médio de 1.000 Sementes 3,3g 4,3g 3,4g
Colheita única única única
Caracteres Morfológicos
Hábito de Crescimento Ramificado Ramificado Ramificado
Hábito Média da Planta 150 cm 175 cm 165 cm
Inserção do Fruto 30 cm 30 cm 30 cm
Cor da Haste Verde Verde Verde
Caracteres Tecnológicos
Teor Médio de Óleo 52% 49% 53%
Sementes Disponível Não Disponível Não Disponível

Técnico Responsável 

Eng.o Agr.o  Angelo Savy Filho
Centro de Grãos e Fibras/Oleaginosas
Av. Barão de Itapura, 1481.  Cx. Postal 28.
13001-970. Campinas. SP.
Tel.: 19/3241-5188  Fax.: 19/9242-3602
E-mail:  savy@iac.sp.gov.br