Webmail    |    Intranet

Centro de Grãos e Fibras


Cultura - Trigo

Trigo (Triticum aestivum L.)

Gramínea de ciclo anual, plantada no inverno nas nossas condições.O trigo cultivado no Estado de São Paulo é do tipo denominado (Primavera), significando que não necessita frio para a vernalização e, conseqüentemente, para produzir economicamente. Devido ao ciclo curto (100 a 120 dias), essa cultura é utilizada em sucessão a outras de verão (soja, feijão, milho, arroz, etc), permitindo no período de um ano, duas culturas na mesma área. Dependendo da região o cultivo do trigo pode ser de sequeiro ou irrigado no Estado de São Paulo. O trigo é uma planta bastante sensível à presença de alumínio tóxico no solo e no subsolo, necessitando de aplicações de calcário no solos ácidos e emprego de cultivares tolerantes. É largamente utilizado na alimentação humana e animal. Devido às propriedades químicas e físicas do glúten, a farinha de trigo tem grande emprego na indústria de panificação.


Triticale ( X triticosecale Wittmack)

Esse cereal se originou por hibridação, feita pelo homem, de duas gramíneas distintas: trigo (Triticum aestivum L.) e centeio (Secale cereale L.).O triticale apresenta a rusticidade do centeio e as qualidades panificáveis do trigo. Trabalhos desenvolvidos no Instituto Agronômico demonstraram sua potencialidade, em vista da rusticidade e tolerância às condições de acidez do solo (principalmente à toxicidade de alumínio), permitindo seu cultivo sobretudo nas regiões ecologicamente marginais à cultura do trigo.


Trigo Duro (Triticum durum L.)

O trigo duro , chamado também de cristalino, cobre cerca de 9% da área trigueira mundial. As cultivares de trigo duro se adaptam melhor em regiões com precipitações pluviais escassas. Por serem selecionadas nessas condições, apresentam o inconveniente da germinação dos grãos na espiga a partir do inicio da maturação fisiológica, quando ocorrem precipitações pluviais durante a colheita. Em condições de irrigação, as cultivares modernas de trigo duro produzem rendimentos iguais ou superiores aos dos trigos comuns (Triticum aestivum L.) Os grãos de trigo duro são tipicamente maiores, mais pesados e mais duros que os do trigo comum. A massa produzida por essa espécie de trigo é menos elástica que a produzida pelo trigo comum, portanto, inferior à produção de pães com levedura , sendo específico para a produção de massas alimentícias.


Aveia (Avena sativa L.)

Planta anual da família Gramínea, podendo ser cultivada, no Estado de São Paulo no inverno. A cultura de aveia pode objetivar a produção de grãos, alimento muito rico em calorias e proteínas, utilizado na dieta humana e animal, ou a produção de forragem para animais durante os meses de inverno. Em São Paulo a cultura é recomendável em condição de sequeiro nas regiões de cultivo do trigo. Região Sul, e Vale do Paranapanema. Nas demais regiões onde a deficiência hídrica no inverno é bastante acentuada, necessita irrigação.


EQUIPE DIRETAMENTE LIGADA AO PROGRAMA

Pesquisadores:

Antônio Wilson Penteado Ferreira Filho - Melhorista
Carlos Eduardo de Oliveira Camargo – Melhorista
João Carlos Felicio
José Guilherme de Freitas – Fitotecnista


Equipe técnica e experimentação regional:

Benedito de Camargo Barros (Instituto Biológico)
Dulcinéia Elizabete Foltran- Exp.Regional (Tietê)
Edison Ulisses Ramos Junior- Exp.Regional (Capão Bonito)
Marcio Akira Ito - Exp. Regional (Tatuí)
Paulo Boller Gallo - Exp. Regional (Mococa)
Valdir Josué Ramos – Exp. Regional – Itararé
Heitor Cantarella – Centro de Solos /IAC
Rita de Cássia Salvucci Celeste Ormenese – ITAL/ APTA
Sílvia Helena Savóia Biondi – Téc. de Ap. Pesq./ ITAL/ APTA
Flávio Martins Montenegro – ITAL/ APTA


Linhas de pesquisa

• Coleção e introdução de germoplasma de trigo comum (Triticum aestivum L.) trigo duro (Triticum durum L) e aveia (Avena sativa L.) Melhoramento genético de triticale (X triticosecale W.) e de trigo duro (Triticum durum L.) visando maior produtividade para as diferentes regiões do Estado de São Paulo

• Estudo genético da tolerância à toxicidade de alumínio e respostas diferenciais de genótipos de trigo comum e duro.

• Melhoramento genético do trigo visando maior produtividade, resistência às doenças e tolerância ao alumínio tóxico para o Estado de São Paulo e estados vizinhos.

• Técnicas culturais de trigo.


Objetivos

a) Introduzir e manter com viabilidade as coleções de genótipos de trigo comum ,trigo duro e aveia..

b) Avaliar genótipos de triticale selecionados em coleções introduzidas do CIMMYT, México, em áreas marginais à cultura do trigo comum, para produção de grãos, para alimentação humana e animal e produção de grãos visando a obtenção de sêmola para atender a demanda das industrias de pastas alimentícias.

c) Identificar os genótipos de trigo comum tolerante ao alumínio para cultivo em solos ácidos onde há abundância desse elemento em forma solúvel ou trocável.

d) Transferir tolerância ao alumínio para genótipos de trigo duro.

e) Estudo da resposta e eficiência ao nitrogênio, espaçamento, população, fungicida e qualidade de grãos de cultivares de trigo para aumentar a produção, diminuir o custo de produção e a contaminação ambiental

Metas

• Desenvolver novas cultivares de trigo com maior produtividade, porte semi-anão, palha forte (resistência ao acamamento), maior fertilidade da espiga, maior perfilhamento, precocidade (100 a 120 dias), para favorecer a rotação com outras culturas, resistência à degrana, resposta à adubação (principalmente nitrogenada), índice de colheita mais alto, adaptação ampla, resistência às doenças (ferrugens, oídio e helmintosporiose) tolerância à toxicidades de Al, Mn e Fe, eficiência à absorção de fósforo e melhores qualidades nutritivas e tecnológicas.

• Obtenção da resposta e eficiência ao nitrogênio, espaçamento, população, fungicida e qualidade grãos de cultivares de trigo para aumentar a produção, diminuir o custo de produção e a contaminação ambiental.

Parcerias

FAPESP
CNPq
FUNDAG
INSTITUTO BIOLÓGICO



Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600