Webmail    |    Intranet

Centro de Frutas


Pêra Européia - Pêra Asiática

Pyrus communis L.- Pyrus serotina R.


As pereiras cultivadas no Brasil são das espécies P. communis L., P. serotina R. e P. bretschneideri R, da família Rosaceae. São frutíferas típicas de clima temperado, com centro de origem euro-asiático, com referências à Europa Central, China, Japão e Indonésia. Cultura permanente, exigente em tratos culturais, que imprescinde de polinização cruzada. O plantio deve ser feito com base em mudas enxertadas dos melhores cultivares disponíveis.Os frutos podem ser consumidos tanto ao natural como industrializados, como compotas, sucos e adicionados em iogurtes.


Cultura apropriada para regiões serranas, frescas e solos férteis. Ultimamente, tem-se dado ênfase à utilização do marmeleiro ou das próprias pêras orientais como seu porta-enxerto.


Cultivares: híbridos IAC: Primorosa (IAC 9-3), Centenária (IAC 9-47), Seleta (IAC 16-28), Triunfo (IAC 16-34) e Tenra (IAC 15-20, polinizante); pêras rústicas tradicionais: tipo D’Água (Branca, D’Água e Valinhos, D’Água de São Roque), tipo Francesa (Madame Sieboldt e Grazzine) e tipo Dura ou D’Água de outono (Kieffer, Limeira, Schmidt e Parda); pêras orientais: Okussankichi, Hosui, Kosui, Atago e Yari (para as regiões mais frias); e pêra européia: Packham’s Triumph (para as regiões mais frias).


Porta-enxertos: pereiras comuns (‘Kieffer’ ou ‘Parda’); Pyrus betulaefolia Bunge; Pyrus calleryana Decne e marmeleiros (‘Portugal’ e ‘Provence’).


Época de plantio: mudas de raízes nuas (transplante): julho a agosto; período das águas.


Espaçamento: com porta-enxerto de pereira: 7 x 5m (convencional), 5 x 2m a 6 x 3m (adensado); com porta-enxerto de marmeleiro: 4 x 2m.


Mudas necessárias: 285, 556 a 1.000 e 1.250/ha, de acordo com o espaçamento.


Controle da erosão: plantio em nível ou cortando as águas, patamares ou banquetas nos terrenos mais declivosos e capinas ou roçadeiras em ruas alternadas, na época das águas; cobertura morta sob as copas ou nas linhas das plantas.


Calagem: de acordo com análise de solo, aplicar calcário para elevar a saturação por bases a 70%. Aplicar o corretivo por todo o terreno, antes do plantio ou mesmo durante a exploração do pomar, incorporando-o através de aração e gradagem.


Adubação de plantio: aplicar, por cova, 2kg de esterco de galinha ou 10kg de esterco de curral, bem curtido, 1kg de calcário magnesiano, 200g de P2O5 e 60g de K2O, com antecedência de pelo menos 30 dias do plantio. Em cobertura, a partir da brotação das mudas, ao redor da planta, 60g de N, em quatro parcelas de 15g, de dois em dois meses.


Adubação de formação: no pomar convencional e em formação, de acordo com a análise de solo e por ano de idade, aplicar 20 a 60 g/planta de cada um dos nutrientes: N, P2O5 e K2O; efetuar a aplicação de N em quatro parcelas, de dois em dois meses, a partir da brotação.


Adubação de produção: no pomar convencional adulto, em produção (a partir do 7º ano), dependendo da análise de solo e da produtividade, aplicar anualmente 70 a 140kg/ha de N, 20 a 90 kg/ha de P2O5 e 20 a 100 kg/ha de K2O, e 2 t/ha de esterco de galinha, ou 10 t/ha de esterco de curral, bem curtido. Após a colheita, distribuir o esterco, fósforo e potássio, na dosagem anual em coroa larga, acompanhando a projeção da copa no solo e, em seguida, misturá-los com a terra da superfície. Aplicar o nitrogênio, parceladamente, de dois em dois meses, a partir do início da brotação.


Observação: Para plantios adensados ou com porta-enxerto de marmeleiro, aplicar os adubos no pomar em formação e no adulto, de modo similar aos plantios convencionais, reduzindo as dosagens proporcionalmente à área ocupada por planta.


Irrigação: aconselhável nas estiagens da primavera, em bacias, sulcos ou por gotejo, ou sua substituição parcial por cobertura morta em áreas de adequado equilíbrio hídrico do solo.


Outros tratos culturais: capinas, podas de formação, de limpeza e de frutificação; condução forçada das plantas (taça) e raleio dos frutos. Herbicidas: diquat, paraquat, glyphosate, simazine e linuron.


Controle de pragas e doenças: no inverno: cianamida hidrogenada para quebra de dormência, calda sulfocálcica concentrada, oxicloreto de cobre e óleo mineral; na vegetação: fungicidas, tendo por base oxicloreto de cobre, captan, mancozeb, thiram, thiophanate methyl, dodine, folpet, enxofre, thiabendazole. Inseticidas: parathion methyl, dichlorfon, fenthion, ethion, azinphos ethyl, phosmet, enxofre, malathion, óleo mineral, fenitrothion, dimethoate.


Colheita: dezembro a abril: safras comerciais a partir do 5º ano de instalação do pomar; ponto de colheita: frutos de vez, para perfeito sazonamento; colheita manual em cestas rasas ou em caixas.


Produtividade normal: 10 a 30 t/ha de frutos, em pomares adultos, racionalmente conduzidos e conforme o espaçamento.



Fonte: Boletim, IAC, 200, 1998.




Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600