Portal do Governo | Investe SP | Cidadão SP | Internacional SP

Webmail    |    Intranet

Centro de Frutas


Caju

Anacardium occidentale L.


O cajueiro é uma planta brasileira, amplamente distribuída pelo litoral nordestino. Desde a época do descobrimento, os índios já consumiam o caju como fruta fresca ou bebida fermentada. Pertence à família Anacardiceae, é perene e apresenta crescimento contínuo, podendo atingir até 20m de altura. O pedúnculo (falso fruto) é o que se consome ao natural. De coloração amarela ou vermelha, possui de 180 a 230mg de vitamina C por 100g de suco.


É rico também em cálcio, ferro e fósforo, sendo utilizado para sucos concentrados, doces em massa, compota e desidratados. A amêndoa do caju (fruto verdadeiro), quando torrada, tem alto valor no mercado internacional. Da castanha (amêndoa e casca), extrai-se o fino óleo de amêndoas, de uso cosmético, medicinal e culinário.


Cultivares:Comum (Amarelo, Vermelho ou Mesclado) e Anão Precoce.


Clima e solo: planta tipicamente tropical. Prefere regiões de alta temperatura e elevadas precipitações. A temperatura média ideal é de 27ºC, com mínimas superiores a 22ºC. É sensível ao frio e a geadas, principalmente quando jovem; plantas adultas apresentam redução de floração/frutificação nessas condições. É favorecido por precipitações anuais de 800 a 1.500mm, distribuídos de 5 a 7 meses, mais uma estação seca para florescimento. O vento é prejudicial; mesmo sendo o principal agente polinizador, quando intenso, causa queda de flores. Os solos mais indicados são os leves, profundos e bem drenados.


Práticas e conservação do solo: plantio em nível. Manter cobertura vegetal rasteira no período chuvoso, sempre roçada. Em declividades superiores a 6%, fazer terraços. Se superiores a 15%, fazer patamares.


Plantio: semeadura direta no início da estação chuvosa. Realizar o desbaste após 60 a 90 dias, deixando-se a muda mais sadia e vigorosa. Quando necessário, o replantio é feito por meio de mudas preparadas em sacos plásticos e de mesma idade das plantas no campo. Para aumentar a uniformidade das plantas, podem-se utilizar mudas enxertadas.


Espaçamento: 7 x 7m para o cajueiro-anão e 10 x 8m para o cajueiro-comum.


Mudas necessárias: 204 por hectare (anão) e 125 por hectare (cajueiro-comum).


Covas: 40 x 40 x 40cm, preparadas 1 mês antes do plantio.


Calagem e adubação: Elevar o índice de saturação por bases a 60%.


Adubação de plantio: aplicar, na cova, 0,5kg de calcário dolomítico, 20 litros de esterco de curral curtido, 80g de P2O5 e 30g de K2O e, cobertura, aos 30 e 60 dias do plantio, 20g de N por planta.


Adubação de frutificação: no 2º, 3º e 4º anos, aplicar 50, 60 e 100g de N; 50 a 70, 60 e 90g de P2O5; 30 a 90, 90 a 120 e 50 a 150g de K2O por planta e por ano, respectivamente, em função da análise de solo. Aplicar todo o fósforo e 1/3 de N e do K2O no início das chuvas; aplicar o restante do N e do K2O em duas parcelas, logo após o inverno e no início da frutificação. Do 5º ano em diante, aplicar 120g de N, 30 a 90g de P2O5, 50 a 150g de K2O por planta e por ano, em função da análise de solo.


Controle de pragas e doenças: broca-das-pontas: deltramethrin e retirada e queima dos galhos afetados; mosca-branca: parathion methyl; lagarta-das-folhas e tripes: piretróide, organofosforado, deltamethrin e antracnose: oxicloreto de cobre e ziram, em pulverizações quinzenais do início da brotação (agosto) a maio; oídio: enxofre.


Poda: poda severa nos ramos, em julho e agosto, para redução do porte da planta, limpeza e arejamento.


Outros tratos culturais: capinas na fase de formação, se houver consorciação de culturas; em pomares adultos, roçada mecânica, seguida de coroamento manual; podas e desbrotas para orientar o crescimento (evitar galhos muito baixos).


Colheita: dezembro a maio, manual. Colher os frutos caídos e retirar as castanhas. Se o caju se destina à industrialização, colher frutos maduros nas próprias plantas.


Produtividade normal: Cajueiro Comum – 900 kg/ha de castanha e 9 t/ha de frutos; Cajueiro Anão – 1.300 kg/ha de castanha e 13 t/ha de frutos, ambos após estabilização da produção; início de produção: 3º ao 5º ano para cajueiro comum e 10 a 18 meses para cajueiro anão precoce.


Culturas intercalares: culturas anuais, até o 5º ano, para o cajueiro comum; preferir leguminosas.


Comercialização: frutos para mercado interno, em gavetas de papelão; polpa congelada e castanha de caju torrada.



Fonte: Boletim, IAC, 200, 1998.




Sede do Instituto Agronômico
Avenida Barão de Itapura, 1.481
Botafogo
Campinas (SP) Brasil
CEP 13020-902
Fone (19) 2137-0600